COVID-19: Horário Especial de Atendimento Saiba mais

Jardim América

Marco na história da arquitetura e urbanismo de São Paulo, Jardim América é o primeiro bairro-jardim da cidade.


Por que comprar no Jardim América?

Cortado pela Avenida Brasil e delimitado pelas avenidas Rebouças e 9 de julho, Jardim América é um bairro nobre de São Paulo localizado na zona oeste da cidade e administrado pela subprefeitura de Pinheiros. Possui excelente localização, entre o Jardim Paulista e o Jardim Europa, arborização e disponibilização de serviços, além de ser classificado como um bairro Zona A pelo CRECI-SP.

Perfil imobiliário

O bairro faz parte de uma região de classe alta conhecida como Jardins, uma das regiões mais nobres de São Paulo e com grande valorização imobiliária. O Jardim América é residência de vários membros da elite paulistana, são moradores e ex-moradores os empresários João Dória Júnior, Abílio Diniz, Dilson Funaro, Mário Wallace Simonsen e Paulo Salim Maluf; além do socialite Chiquinho Scarpa.

Gastronomia

O Jardim América está localizado em uma região privilegiada quando o assunto é gastronomia, além disso, o bairro também tem suas próprias atrações, com destaque para o setor de padarias. Uma delas é a Galeria dos Pães, uma padaria 24 horas com grande variedade de pães, frios, bolos, além de adega de vinhos. A Galeria também serve café da manhã, almoço e sopas e caldos à noite.

Outra opção é a Padoca do Maní, com pães artesanais, café da manhã e sucos, em espaço rústico e acolhedor. A padaria foi vencedora, em 2019, do prêmio “Comidinhas – Padaria” do guia de São Paulo realizado pela Veja.

Transporte

Além de ciclofaixas e pontos de ônibus, o Jardim América fica ao lado da estação de metrô Oscar Freire e é próximo das estações Trianon-Masp, Consolação e Brigadeiro.

Lazer e cultura

O grande destaque do Jardim América está na quantidade de praças: são 10 no total, com destaque para a da Nossa Senhora do Brasil e a General San Martin, o que faz com que um passeio ou brincadeiras com as crianças ao ar livre seja uma ótima opção de lazer.

Destaques

Aqui estão localizados 5 consulados: o de Portugal, da Espanha, da China, de Angola e do Uruguai. Também merece destaque a Igreja Nossa Senhora do Brasil, construída em estilo Barroco e, tradicionalmente, muito procurada para casamentos.

História

Baseado no modelo cidade-jardim (um tipo alternativo às metrópoles e grandes cidades), o bairro foi projetado pelos arquitetos ingleses Barry Parker e Raymond Unwin como encomenda da City of São Paulo Improvements and Freehold Company Limited, uma empresa inglesa que planejou o loteamento voltado para um público de alto poder aquisitivo.

Sendo o primeiro bairro construído seguindo este modelo em São Paulo, o empreendimento trouxe inovação e uma experiência de urbanização que pretendeu oferecer alta qualidade de vida por meio de residências instaladas em grandes terrenos com jardins, dispostos em ruas arborizadas.

Pelo seu valor paisagístico, o bairro foi tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio

Lazer e Cultura

Além do Parque da Água Branca com 90 mil m² de área verde, o bairro também têm como opção o de lazer o Museu Geológico com exposições permanentes, o Espaço das Américas destinado a organização de shows e eventos, o Villa Country casa de show inspirada na cultura dos cowboys do western, Audio Club espaço para shows com capacidade para 3000 pessoas, Via Matarazzo casa de eventos e shows e o Allianz Parque uma arena multiuso onde a Sociedade Esportiva Palmeiras realiza seus jogos.

Ensino

Dentre os colégios mais conhecidos podemos destacar o Colégio das Américas, Objetivo Centro Interescolar Unidade Pompéia, Cei Indir Anibal Di Francia entre outros, voltado ao ensino superior a Faculdade Flamingo, FAPPES – Faculdade Paulista de Pesquisa e Ensino Superior.

História

O bairro da Água Branca teve sua origem no século XIX. A ocupação se deu a favor da criação da primeira ferrovia que ligava Santos a Jundiaí. No final a região também receberia a construção da Estrada de Ferro Sorocabana.

Com o aparecimento das ferrovias muitas fábricas se instalaram na região, o que favoreceu o desenvolvimento habitacional. O crescimento denso de moradia fez com que o bairro passasse pelo processo de desindustrialização e um avanço do setor terciário. Marcado pelo êxito do capitalismo.

As transformações físicas se tornaram evidentes e as características mais comunitárias deixaram de existir.