Voltar ao site antigo

Vila Romana

Em um processo de transição dos pequenos sobrados a Vila Romana vem se destacando pelos grandes edifícios de médio e alto padrão.


Por que comprar em Vila Romana?

Em um processo de transição dos pequenos sobrados a Vila Romana vem se destacando pelos grandes edifícios de médio e alto padrão.

Com imigração predominante italiana e originalmente semelhante à Velha Roma Italiana, os moradores em sua maioria descendentes nomearam a vila em homenagem à antiga cidade italiana.

Perfil imobiliário

Pequenos sobrados em transição para grandes edifícios de médio e alto padrão.

Gastronomia

Apesar de a vila apresentar descendência italiana sua culinária é diversificada com predominância de cervejarias, pizzarias e as tradicionais casas italianas..

Transporte Urbano

A Vila Romana possui como principais meios de transportes às linhas de ônibus, com fácil acesso a estação de metro da Linha 02-Verde-Vila Madalena. Para acesso a outros pontos importantes da cidade as avenidas que cortam a vila: Cerro Corá, Pompéia, Nossa senhora da Lapa e a Rua Pio XI.

Lazer e Cultura

Localizado aos arredores da Vila Romana, o SESC Pompéia oferece uma ampla agenda cultural e esportiva e o principal atrativo o Teatro Cacilda Becker na Rua Tito.

A vila também oferece fácil acesso à Arena Palestra Itália palco de entretenimentos esportivos e grandes eventos da música internacional e nacional.

História

Os loteamentos foram planejados no século XIX, cada lote com cerca de 10 mil m², transformados em chácaras.

A Vila Romana começou a se desenhar no final dos anos 50, com forte influência dos italianos.

Suas ruas foram nomeadas com nomes característicos da Itália, sendo, imperadores, oradores, juristas e deuses romanos, sempre com o prenome: Tito, Espártaco, Catão, Clélia, Marco Aurélio, Camilo, Aurélia, Duílio, Fábia, Marcelina, Coriolano, Vespasiano, Scipião, Faustolo, Crasso, Praça Cornélia, entre outras.

Os quarteirões passaram a ser ocupados com indústrias e fábricas ou eram cortados para abertura de novas ruas, embora algumas não tenham preservado as características já mencionadas. Era muito comum mais de uma família habitar as casas que eram muito parecidas, os quintais com árvores frutíferas, por menor que fosse.

Nos anos 80 a falta de salas de espetáculos na Zona Oeste da Capital levou a idealização do Teatro Cacilda Becker, que saia do papel oito anos mais tarde como primeiro teatro municipal na região, com 198 assentos.