Com juros baixos, portabilidade de financiamento imobiliário pode ser boa opção

Publicado em 23/11/2020 às 16:34 por

Segundo dados do Banco Central, os pedidos de portabilidade em 2020 cresceram 625% comparados ao mesmo período de 2019.

Como já noticiamos aqui no blog, o mercado imobiliário foi movimentado recentemente com uma queda histórica na taxa Selic de juros – atualmente em 2% ao ano.

Esse cenário, além de ter possibilitado boas oportunidades de investimentos para aqueles que desejam adquirir um imóvel, trouxe um diferencial que pode auxiliar os compradores: boas oportunidades para a portabilidade de financiamento imobiliário, ou seja, a migração da dívida de uma instituição financeira para outra que possa oferecer taxas mais atrativas.

Como financiamentos imobiliários têm prazos mais longos que outros tipos de financiamento, e o valor também costuma ser maior, caso o cliente consiga redução em alguma taxa ao fazer a portabilidade, isso pode ter um impacto considerável no valor final.

Quando e como solicitar

Segundo especialistas, a portabilidade pode ser interessante para aqueles que contrataram seu financiamento quando a taxa Selic estava acima de 8,5% ao ano.

Nesses casos, primeiramente, o consumidor deve fazer uma pesquisa em outras instituições para ver as vantagens que elas podem oferecer para seu financiamento. Depois, já com as propostas em mãos, converse com o seu banco atual.

Para não perder o seu contrato, a instituição pode oferecer uma renegociação que seja ainda vantajosa que a portabilidade.

Uma dica interessante é gerenciar o dinheiro que será economizado e usá-lo para abater mais parcelas do financiamento, assim, o comprador pode diminuir o prazo de pagamento.

Desvantagens

Ainda que a portabilidade de crédito imobiliário seja interessante em alguns casos, o consumidor precisa considerar gastos adicionais que podem ser gerados com a solicitação.

Novas documentações serão necessárias, o que irá gerar custos extras, e algumas instituições podem pedir uma reavaliação do imóvel com valores atualizados, o que pode fazer com que a portabilidade deixe de ser uma boa opção.

Além disso, não se esqueça de avaliar o Custo Efetivo Total (CET) do financiamento, para ter certeza que a mudança de banco será mesmo lucrativa.